As Coisas: Through the Gap

Todo dia ia até a estação. Sua própria voz anunciava a ele, e a todos, “mind the gap”. Tarde de 1968. Já não se lembrava mais no que pensava quando foram à sua sala buscar mais alguém para tentar a gravação. Já não se lembrava mais que tentara imaginar como Bela Lugosi faria para fazê-lo obedecer.

No início sim, recuperava esta memória, depois, timidamente, imitava a si mesmo, até que a memória fugiu.

Agora, só a gravação sabia. E ela, um dia renovada numa voz mais jovem e vibrante, um dia também se esqueceu. E ele, nunca mais na estação percebido.


Inspirado por Neverwhere de Neil Gaiman e por “The R6 Local to Norristown, next to arrive on track 5” by Septa @ 30th st station

Posted by Roberto de Pinho

1 comment

Bitte, einsteigen…
Bitte, zurückbleiben!!

(Mind the gap – Berliner version)

Deixe uma resposta