A santa palavra em vão

Em tempos de Nobel, retomo um Saramago deixado de lado. Seu Português bem português parece mais limpo e belo aqui que as últimas flores do lácio são mais raras.

Posted by Roberto de Pinho

Deixe uma resposta