A alegria de quem lhe leva e lhe liberta da maior da dores

Parte fundamental da minha religião, que um dia escutei meio escabriado, estranhando aquele som que me parecia tão perfeito. Companhia para noites longas desta vida curta. Companhia distante, que vinha das terras frias do Canadá, portando um dor ainda mais profunda e bela que as dores que sempre nutri. Meu coração dispara, como o de quem, no colégio, espera ver passar a garota escolhida: em pouco mais de um mês, assistirei aos Cowboy Junkies, ao vivo.

Posted by Roberto de Pinho

5 comments

Incrível! Acho que só quem já ouviu pessoalmente você falar dos Cowboy Junkies pode imaginar o que ir a esse show pode significar. Fico feliz por você, cara. Ficarei mais feliz ainda quando você contar como foi lá. Por enquanto, só tenho uma coisa a dizer:
“You’re miles from your home, miles from your home. But that’s where YOU want to be!”

Um dia qualquer, quando eu morava em Brasília estava chegando ou saindo de casa, acho que num sábado, o rádio numa estação qualquer que parei porque achei alguma musica que me pareceu interessante.

Não estava, nesta época, acompanhando os lançamentos do CJ.

Adorei a música, mas não sabia quem cantava, na memória fica a sensação de que cheguei a parar o carro para descobrir quem era, ai veio algo assim: “a música que acabamos de ouvir faz parte do último álbum do Cowboy Junkies, a banda declarou que neste CD tentou voltar ao som dos seus primeiros 2 CDs”.

Uau! Voce vai ver eles tocando the full on Trinity Sessions? E esse o show que eles estao apresentando por aqui este ano.
Da ultima vez que os vi ao vivo eu nao me contive e falei com a Margo, que foi um doce, eu guardo o autografo dela como um tesouro!!

Acho estranho quando você escreve assim.

Hmmm… Não está claro… mas parece que é o Trinity sim. Não tem nada no bilhete ou no site além de “Cowboy Junkies”. O que tá mais que suficiente. 🙂

Deixe uma resposta