Discurso de Formatura

Estas semanas ando envolvido com a produção de textos ( além deste blog ). Lembrei que o meu discurso de formatura da graduação não estava mais online. Deve ser o meu texto de maior repercussão. Enquanto ele esteve online, a cada fim de semestre, eu recebia um ou dois emails pedindo ajuda na escrita de discursos de formatura.

Coloco ele aqui para que desfrute das rotinas de backup do Blogger.

Veja também: Discurso Mestrado

Discurso de Formatura – Graduação Análise de Sistemas – UNIFACS – 1995

Boa noite, Vou fazer uma pergunta, uma pergunta que poderia até ser considerada pouco apropriada para a ocasião. Na verdade, espero que não me arrependa em faze-la :

Por que estamos aqui, esta noite ?

Por que as senhoras estão usando, em sua maioria, sapatos de saltos altos, belos, porém desconfortáveis. E boa parte dos senhores, gravatas que apertam o pescoço de todos. Por que eu, e meus colegas, antes de faculdade e agora de profissão, vestimos estas roupas complicadas,
embora muitos de nós preferíssemos estar usando confortáveis bermudas, por quê ?

Mais ainda, por que minhas colegas, delicadamente discutiram, sem nenhuma exaltação, qual a cor da roupa que usariam neste evento ?

Por que enfrentamos um bom engarrafamento na hora da chegada ?

Todos estes sacrifícios para quê ?

Para a graduação de profissionais que não foram responsáveis por alimentar a raça humana ? Nós, analistas de sistemas, não alimentamos os nossos semelhantes, durante secas, invernos rigorosos ou mesmo guerras. Nós não descobrimos como plantar alimentos ou tratar animais, ou curar suas doenças, como fazem os agrônomos ou os veterinários. Sempre preocupados em como fornecer alimentos para uma população mundial cada vez maior. Nós também não construímos casas, pontes ou estradas. O produto do nosso trabalho não é algo palpável como o produto do trabalho de engenheiros e arquitetos. Não construímos casas que nos protegem do
tempo e de nós mesmos. Não construímos as casas que moldaram a nossa sociedade e a forma como nos relacionamos. A sociedade feudal não seria a mesma sem os castelos, assim como a nossa sociedade e nossas famílias não seriam as mesmas sem as nossas casas. Não construímos pontes que unem, ou separam povos. Pontes que juntaram cidades como em Buda e Peste
e separaram famílias quando destruídas. Não fizemos as estradas que moldaram impérios e economias. O império romano expandiu-se com estradas. Com elas, os romanos podiam movimentar exércitos e produtos, podendo, assim controlar desde a península ibérica até o Egito. Não salvamos vidas, não combatemos doenças. Não estivemos presentes quando o
homem luto contra pestes ou desenvolveu técnicas de cirurgia, que permitem, até, que sejamos mais bonitos. Não temos a satisfação dos obstetras de trazer novas vidas a este mundo ou de fazer bater um coração de alguém já falecido no peito de outra pessoa. Até criamos vírus. Talvez numa tentativa de também criar algo vivo.

Por outro lado, se não estivemos em quase todas as situações críticas da história da humanidade, não consigo imaginar muitos exemplos de eventos que não contarão com a nossa participação ou ajuda daqui para diante. É difícil imaginar o trabalho de qualquer um destes
profissionais, no mundo atual, sem a ajuda de computadores. E o nosso trabalho é justamente fazer com que pessoas e computadores trabalhem juntos, fazer com que estes tornem possíveis os objetivos daqueles. Se não produzimos alimentos, a informática já está em boa parte das
fazendas. Se não construímos casas, pontes e estradas, também moldamos a sociedade. Hoje, a Internet está trazendo o mundo para as nossas casas, destruindo paredes e ligando pessoas a distâncias que um engenheiro certamente se recusaria a construir uma ponte. Se o império romano foi construído graças ao seu domínio sobre os meios de transporte e as
estradas. Hoje, as superpotências são construídas com capacidade de movimentar informações, a matéria-prima do nosso trabalho. O mundo pós guerra fria, com certeza será conhecido como era da informação e nós seremos os seus engenheiros. Não salvamos vidas, mas trabalhamos em
conjunto com médicos, seja coletando dados estatísticos, seja, através do uso de inteligência artificial, criando sistemas especialistas capazes de substituir, em alguns casos, médicos reais. Bem, e os vírus que nós criamos, não matam ninguém.

Mas se hoje todos sabem e usam computadores, por que precisamos de analistas de sistemas ?

Se computadores são tão simples de usar, por que passar quatro anos em uma faculdade ?

Por que estudar matérias como Pesquisa Operacional, Contabilidade ou computador e sociedade, entre outras ?

Por que deixar de divertir-se e ter que fazer centenas trabalhos em grupo ? Muitas vezes perdendo todo o fim-de-semana ?

Por que todos nós fizemos estágio, mesmo que nosso currículo não exija ?

Por que buscamos e recebemos, por tantas vezes, o apoio de nossos pais ?

Por que nós reunirmos tantas vezes ? Foram tantas a reuniões que até inauguração de sofá, nós fizemos. Por que estudamos assuntos tão díspares como realidade virtual e redes de computadores, passando até por qualidade total. Por que estudamos tudo isto se qualquer um pode usar um computador ? Por que saímos de nossas salas, limpas e ar condicionadas e fomos a instituições de caridade, extremamente carentes, oferecer nossos serviços, gratuitamente ?

Fizemos tudo isto, por que qualquer um pode receitar uma aspirina, mas eu não faria uma operação de apendicite com a minha vizinha, por exemplo. Qualquer um pode armar uma barraca de camping, mas com certeza, Itaipu não foi feita por qualquer um. Qualquer um pode ir a um tribunal de pequenas causas para questões que envolvem até 10 salários mínimos,
mas em qualquer causa acima deste valor ou que não seja estritamente financeira, com certeza, será necessária a ajuda de um advogado. Qualquer um pode editar um texto, instalar uma planilha ou desenvolver um programa, mas com certeza, não será qualquer um que pode desenvolver sistemas de informações, projetar redes de computadores, se preocupar com o impacto da informática numa organização ou na sociedade, administrar bancos de dados corporativos ou muitas outras funções que um bacharel em ciência da computação sabe execer. Se hoje qualquer um pode usar um computador é por que muito trabalho foi feito em informática, é porque existe gente pesquisando e trabalhando com computadores.

É estratégico para o nosso país, manter-se na liderança desta tecnológia. Liderança que só é possível com estudo e pesquisa de qualidade.

Não, não estou em nada arrependido de ter perguntado porque estamos aqui hoje, e muito menos estaria arrependido de ter feito o curso que fiz. Sinto-me, agora, como Colombo partindo do porto de Palos, triste por deixar a sua terra, mas pronto para construir um novo mundo. Pelo menos, sempre poderei ver a todos na internet.

Posted by Roberto de Pinho

Deixe uma resposta