geek joke

Em 2050, cientistas chegaram a conclusão que todos os seres humanos morreriam, mas que havia solução. Mas achar a solução correta era um problema NP completo. Mesmo com todos os computadores do mundo, o calculo levaria centenas de anos.

um cientista propôs: vamos adotar a solução dos gêmeos de Einstein. – como assim ? a idéia de que existem dois gêmeos, um fica na terra e outro passeia pelo sistema solar em velocidade próxima à da luz, o que ficou na terra estará bem mais velho. Podemos fazer isto com o computador.

– mas isto não resolve o nosso problema, de nada adianta colocar um computador para passear pelo sistema solar !

– vc não está entendendo…. colocamos todos os humanos numa nave e rodamos pelo sistema solar, deixando o computador na terra. Poucos meses depois voltamos e, como se passam centenas de anos na terra, o computador já terá a resposta.

por mais absurda que parecesse a proposta, assim foi feito. O mais potente computador foi montado e programa, e a nave construída.

A nave saiu e rodou pelo sistema solar. No seu retorno, pouco tempo faltando para salvar a humanidade, os cientistas chefes foram ansiosos examinar o resultado da computação. No primitivo console controlador estava o esperado resultado:

“err 456: unable to load job”

versão original lida num login do linux ( fortune program ).

10, in no particular order

1. Lost in translation
2. 2001: a space odyssey
3. Une liaison pornographique
4. The thin red line
5. Eternal sunshine of the spotless mind
6. Babette’s feast
7. Ghost in the shell
8. Lavoura arcaica
9. Trois Couleurs: Bleu
10. Blade runner
11. Chasing Amy
12. The color purple
13. Dancer in the dark
14. The dreamers
15. Elephant
16. Gosford park
17. Harold and Maude
18. Ran
19. The breakfast club
20. Romeo + Juliet
21. Stealing beauty
22. Sweet and lowdown

Erros e acertos


Na recuperação de informação, duas medidas são as mais usuais para a avaliação da efetividade de ferramentas de busca: recall e precision.

O recall mede o percentual de objetos relevantes que foram recuperados por uma busca. A precisão, por sua vez, mede o percentual de elementos relevantes entre aqueles recuperados.

Num extremo, podemos ter um conjunto de apenas um elemento relevante: precisão 100 %, porem recall muito baixo. A medida que adicionamos novos elementos, o recall vai crescendo, mas, a depender da qualidade da ferramenta, às custas de menor precisão. No outro extremo, podemos ter um conjunto solução que é igual ao universo pesquisado. Neste caso, temos a certeza de recall 100%, mas com precisão mínima.

A qualidade do algoritmo faz diferença, não existindo algoritmo perfeito. No entanto, há consenso de que, a depender da aplicação, é razoável sacrificar precisão em favor de recall. Por exemplo, se buscamos descobrir todos os fabricantes de computadores americanos, é aceitável que uma pesquisa retorne alguns elementos não relevantes.

Tendo eu martelo, faço do programa Fome Zero prego e o analiso sob a ótica da recuperação de informação.

Partindo da existência de uma população a ser contemplada pelo programa, o programa deve buscar 100% de recall, i.e., atender a todos que atendam o critério do programa, e, ao mesmo tempo com alta precisão, não permitindo que aqueles que não fazem jus ao beneficio sejam inscritos no programa.

O importante nesta analogia é que a desenfreada busca de precisão pode ocorrer às custas de uma perda de recall. Quando uma reportagem de TV mostra a irmã do prefeito de não sei onde recebendo o beneficio do programa, o foco é exclusivo na precisão e o clamor é por maior controle.

Não ataco o controle, mas apenas um cego “maior” controle. Regras e mais regras certamente tem um impacto no recall, impedindo que muitos dos destinatários legítimos sejam atendidos.

A busca é, portanto de um melhor controle, e neste contexto – do programa Fome Zero – é importante se perguntar: o que é mais critico: pagar a quem não se deve ou deixar de atender a quem necessita ?

Ainda particular ao contexto do programa, é preciso ponderar que os custos marginais de inclusão de novos participantes é decrescente ( por diluir os custos fixos ) e que a adoção de medidas de controle tem custo em si mesmas. Ou seja, um programa de maior precisão pode, paradoxalmente, apresentar um maior custo por beneficiário (legítimo) que um programa mais inclusivo.

Tudo que disse até aqui nada tem de controverso, uma vez que você aceite a premissa do programa.

Agora vamos analisar os dois extremos. Um programa com suporte ministerial para atender uma única família é ridículo, vide as criticas aos programa do Primeiro Emprego : “Em março de 2004, o sistema eletrônico de acompanhamento dos gastos federais registrava um único beneficiário, um jovem contratado como copeiro por um restaurante de Salvador.”

No entanto, o extremo oposto pode ser interessante: pagar o benefício a todo mundo. Neste cenário, o Recall é 100%. O controle do programa desaparece, substituído apenas pelo controle de identificação e cidadania.

Como o dinheiro não surge do nada, os impostos teriam que ter aumento, possivelmente de forma que aqueles fora da população a ser beneficiada pelo programa passem a pagar imposto adicional no montante do benefício recebido.

Fica evidente que muito dinheiro estaria se movimentando sem efeito algum, pois, para muitos funcionaria assim: eu recebo um benefício e depois tenho que devolver ele todo em imposto. No entanto, o ganho está no uso de um infra-estrutura existente e necessária (de arrecadação de impostos), que de qualquer forma precisa passar por importantes mudanças: Pobres pagam 44% mais impostos do que ricos.

Isto, como diria o Suplicy, nada mais é que renda mínima.

Zona de conforto


but the other guy is hungry, while you try to find your perfect solution

Usei esta frase enquanto discutia acerca do programa Fome Zero. Tenho quase certeza que ouvi este argumento em algum lugar, não lembro onde. Mas a frase é boa, e, neste caso, mais importante ainda, verdade.

English way


Entre a possibilidade de falhar e o nada,
abraço a imobilidade.
No pé desta montanha fico imaginando
belos campos além do rio
me prende o medo,
escorregões imaginários,
dentes partidos em quedas que nunca ocorrerão.

Olho meus pés, movem-se timidamente.
passos desesperados de quem nunca vai descolar-se deste chão.